Work and Travel: sendo salva-vidas nos Estados Unidos

E a saga do Work and Travel continua! (:

Eu já expliquei por aqui o que é e como funciona o intercâmbio de Work and Travel (confira aqui!) e hoje, vim falar um pouco sobre a minha experiência pessoal trabalhando no Massanutten Resort como salva-vidas.

Leia também:

Work and Travel: descubra as vantagens e desvantagens desse intercâmbio

Work & Travel: entenda como funciona o intercâmbio de trabalho nos EUA

intercâmbio work and travel

O Massanutten Resort

Carinhosamente chamado de Mass Resort pelos mais íntimos, o Massanutten é um resort quatro estações maravilhoso no interior da Virgínia.

Eu não sabia disso, mas chegando lá descobri que o lugar é enorme (mesmo!) e todas as atrações ficam espalhadas ao longo da montanha – o que foi bem difícil no começo, pois eu dependia de carona para chegar em qualquer lugar.

No Mass há inúmeros restaurantes, algumas academias, pistas de esqui, snow tubing, patinação no gelo, clubes, campos de golf, um parque aquático (onde eu trabalhei!) e muito muito mais.

A aproximadamente meia hora do resort fica Harrisonburg, uma cidadezinha onde tem Walmart, shopping e dezenas de restaurantes.

Work and Travel no Mass

Minha experiência trabalhando para o Massanutten foi maravilhosa. Meus supervisores me tratavam como filha e ajudavam com tudo o que podiam! Há vários descontos para funcionários e também benefícios como esqui e academia de graça.

A vida de salva-vidas

Escolhi ser salva-vidas meio na louca, sem saber o que esperar, e trabalhar no parque aquático fechado. E que acerto que foi (:

Nos primeiros dias, tivemos treinos de natação (bem puxado, mas sobrevivi), de resgate e aulas de CPR e Primeiros Socorros pela American Red Cross (o que eu achei bem legal, porque a gente nunca sabe quando pode precisar, né?)

Já no trabalho, todos os meus colegas e supervisores – com excepção de um ou outro intercambista – eram americanos. O que me deu a oportunidade de treinar muitooooo o inglês – que eu falava 24 horas por dia, já que não trabalhei ou morei com nenhum brasileiro).

Pelo parque haviam várias posições diferentes e os salva-vidas ficam fazendo uma espécie de rotação: 15 minutos em cada posição e um intervalo a cada uma hora e meia aproximadamente. No começo de cada dia fazíamos um pequeno treinamento, que ia de exercícios de primeiros socorros a brincar de esconde esconde. Era sempre uma surpresa.

Eu adorava porque depois de um tempo todo mundo ficou muito amigo e a gente dava muita risada e se divertia trabalhando. Além de que era uma delicia poder ficar quentinha de maiô e chinelo no meio do inverno da Virgínia 😛

Meu trabalho era, mais que nada, puro atendimento ao cliente. Era bem importante ser sempre muito simpático, porque os guests sempre tem perguntas ou acabam querendo conversar com você. Essa era a minha parte preferida! Porque aí o dia passava bem rápido e né, trabalhar com cliente sempre rende umas pérolas muito boas.

Horas de trabalho

Esse foi o único ponto que me incomodou no Work and Travel: trabalhávamos que nem loucos! Os meus colegas americanos sempre me falavam que tinham dó por colocarem a gente para trabalhar tanto, sério.

Normalmente tínhamos dois dias livres por semana e nas semanas mais cheias (como a do Natal, Ano Novo e Dia do Presidente), chegávamos a trabalhar das 9 da manhã às 22:30.

Parece fácil, mas era muitoooo cansativo e os intercambistas viviam doentes e cansados.

Remuneração

Chegou a parte que todo mundo sempre me pergunta!

Meu salário era de dez dólares por hora e ganhava horas extras quando trabalhava mais de um número x de horas por semana ou até mesmo quando trabalhava no feriado. O pagamento era semanal, toda sexta-feira.

Mas agora falando em números: eu recebi a partir de 450 na pior semana (já com aluguel descontado) e 750 dólares na melhor semana, que foi a do Natal. É muita grana! Deu para viajar muito e comprar absolutamente tudo que eu quis.

Acomodação

O próprio resort ofereceu a acomodação, que era uma casa (bem confortável, grande e quentinha) a 5 minutos do Waterpark. O meu aluguel era de 60 dólares por semana e era descontado automaticamente no paycheck.

Festas, compras e etc.

No Mass havia festa quase todo dia, o que era bem legal! Apesar da grande maioria serem festas latinas, curti bastante com os americanos também (eles realmente AMAM beerpong, do jeitinho que a gente vê nos filmes).

Para compras de mercado e tudo mais, o resort organizava vans para levar os funcionários para Harrisonburg (cidade a meia hora do resort) umas duas vezes por semana.

Depois de um tempo, comecei a preferir ir no Walmart de madrugada para poder passar o dia livre fazendo coisas mais legais.

Viagens

Durante as semanas de trabalho não tive muito tempo para viajar, não. Mas como a gente sempre dá um jeitinho, eu e uns amigos conseguimos visitar Washington por alguns dias e foi incrível!

A diversão veio mesmo foi no Grace Period (período de 30 dias para viajar depois do programa) em que consegui visitar 5 cidades gastando bem pouco. Fiz tudo de ônibus!

Ufa! É isso. Morro de saudades do meu Work and Travel e já estou sonhando com o próximo 🙂

12 Replies to “Work and Travel: sendo salva-vidas nos Estados Unidos”

  1. […] Work and Travel: minha experiência como salva-vidas na Virgínia […]

  2. […] Work and Travel: minha experiência como salva-vidas na Virgínia […]

  3. Ruthia Portelinha says: Responder

    Que experiência interessante (tirando o facto de trabalhar mais de 12 horas em alguns dias). Imagino que o sentiu um upgrade grande no seu nível de inglês.

  4. ~Os americanos sempre me falavam que tinham dó por colocarem a gente para trabalhar tanto, sério.~
    quem eram esses? provavelmente n’ao eram as pessoas que te contrataram ne aheuaheua

    1. os meus colegas hahahaha

  5. Mariana Menezes says: Responder

    Que interessante essa experiência do work and travel, nunca imaginei que pudessem contratar salva-vidas que não tivessem um treinamento prévio para isso. Que bom que eles deram um treinamento, que com certeza vai ser super útil pra vida. Fora a ótima oportunidade de aprender e praticar o inglês.

    1. Também fiquei surpresa com isso do treinamento, Mari! E sim, meu inglês melhorou bastante 😀

  6. Que demais essa experiência! Adorei saber de tudo, amei os detalhes que vc relatou da sua vivência. Obrigada pod compartilhar tudo, inclusive a remuneração. Adorei!

    1. Fico muito feliz que gostou, Carol! Foi mesmo demais 🙂

  7. Experiência diferente e bacana essa de ser salva vida mesmo hein? Que legal…super curti e mais ainda por vc estar compartilhando todas essas dicas por aqui.. Parabéns!

    1. Foi demais, Andrea! Que bom que curtiu 🙂

  8. Que experiência diferente e bacana, ser salva vidas num parque aquático. Adorei a ideia, ainda que meio “na louca”…rsrs. Parabéns pelo relato e continue compartilhando essas dicas com a gente.

Deixe uma resposta